Trovadores por Ordem Alfabética

Trovadores por Ordem Alfabética

A - Z

  • A (28)
  • B (3)
  • C (12)
  • D (13)
  • E (12)
  • F (8)
  • G (6)
  • H (10)
  • I (5)
  • J (20)
  • L (10)
  • M (19)
  • N (8)
  • O (12)
  • P (3)
  • R (11)
  • S (10)
  • T (4)
  • V (4)
  • W (4)
  • Z (1)

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Renato Alves


1
A água pura não tem cor,
nem branca, nem amarela;
não tem cheiro, nem sabor...
Mas ninguém vive sem ela!
2
Agradeço a quem quiser-me
como eu sou, como um irmão...
Não é na cor da epiderme
que se vê meu coração!
3
Ao receber tuas cartas
uma frustração me invade:
tu me dás notícias fartas,
mas me matas de saudade!
4
Ao repensar minha história,
encontrei com emoção
por trás de cada vitória
um mestre no coração!
5
Ao te encontrar, velha agenda,
lá no fundo da gaveta,
meu passado se desvenda...
És a minha “caixa-preta”!
6
Beleza de mais efeito
que este colar de rainha
tu não tens sobre o teu peito,
dentro dele é que se aninha...
7
Com esplendor natural
e fulgor exuberante,
de uma gota no varal
o sol faz um diamante.
8
“Conhecer não é saber”
- ensina a douta ciência...
”Pôr alma no que aprender” ,
isto, sim, é sapiência!
9
Coração, relógio louco
que registra o meu desejo,
bate muito ou bate pouco,
na medida em que te vejo!
10
De meu pai herdei o nome,
de minha mãe, a ternura;
da pobreza herdei a fome,
a minha herança mais dura!
11
Eis meu desejo ideal,
minha utopia e quimera:
– Ver teus braços, afinal,
abrirem-se à minha espera!
12
Escute a voz da razão:
– Nunca esmoreça, persista!...
É com determinação
que o sonho vira conquista.
13
Mais rápido do que a luz,
através do imaginar,
pensamento nos conduz
a todo e qualquer lugar,
14
Mesmo em meio à dura lida,
fazer versos nos renova:
– Cabe todo o bem da vida
nas quatro linhas da trova!
15
Mil livros já devorei,
mas neles não achei graça,
até hoje eu nada sei...
– Muito prazer, sou a traça!
16
Minha vida era rotina
tão amarga quanto fel,
mas transformou-se, menina,
com sua chegada, em mel!
17
Não diga que é velho alguém
pela idade transcorrida...
Só é velho quem não tem
mais sonhos em sua vida!
18
Ninguém há que saiba tudo,
nem tudo pode saber...
Muito se aprende e, contudo,
há sempre o que se aprender!
19
No campo foi algodão,
tornou-se fio e tecido,
ganhou cor e confecção...
Está pronto o seu vestido!
20
Nunca condenes o irmão
sem de provas ter ciência;
dá-lhe, sem contestação,
a presunção da inocência.
21
O gajo, sendo um velhaco,
engajou-se bem no ofício:
– um cargo de puxa-saco
pra puxar palma em comício!
22
O mar geme nos rochedos
prantos tão desconsolados,
pois guarda muitos segredos
e sonhos dos afogados...
23
O mestre faz da alma um templo
para ouvir nossa oração,
e, assim, mostra que é o exemplo
que ensina qualquer lição!
24
O muro é separação,
produto de preconceito;
se você quer união,
construa pontes no peito!
25
O trabalho é punição,
uma herança do passado...
Deus quis castigar Adão,
e sobrou pro nosso lado!..
26
“O vinho seco faz bem!”
- recomendou sua avó...
E ele foi ao armazém,
e lá pediu: “Vinho em pó!”
27
Pandorga... cafifa... pipas...
tens nomes em abundância,
mas com todos participas
dos sonhos da nossa infância!
28
Planto o grão com uma meta:
- Gerar vida em profusão...
E este ciclo se completa
quando o trigo vira pão.
29
Pode ser pobre ou poeta,
sem perder a autoestima;
mas há de ter como meta
não ter pobreza na rima.
30
Quando a feia se “embeleza” ,
mas o resultado é trágico,
diz o espelho, que se preza:
– Ela pensa quer eu sou mágico!...
31
Quando a humana insensatez
dissemina a poluição,
para ter sol outra vez,
só com imaginação...
32
Quando do meu lar amado
transpus o velho portão,
pedaços do meu passado
espalharam-se no chão!
33
Quando estou no teu regaço,
tu me dás consolo e mel...
Como há sonho em teu espaço,
livro, amigo de papel!
34
Quando o amor é inconsequente,
nas mais tórridas paixões,
pode fundir-se a corrente
que liga os dois corações!
35
Quem de si não cede nada,
no céu não terá lugar.
Coisa mais abençoada
do que receber... é dar!
36
Quem não tem medo da morte,
quem nunca faz nada em vão,
quem, antes de tudo é um forte...
Este é o homem do sertão!
37
Que nome você daria
ao que sente a mãe que chora
ao pé da cama vazia
de um filho que foi embora?...
38
Razão e Emoção, na gente,
são irmãs, mas não se dão:
a primeira habita a mente,
a segunda, o coração!
39
Se és de fato um vencedor
deves sempre ter em vista,
não o prêmio e seu valor,
mas o prazer da conquista!
40
Se és duro de coração,
não perdes por esperar:
do céu só terá perdão
quem é capaz de perdoar.
41
Ser poeta é transformar
a palavra em brasa ardente
para com ela queimar
a emoção que está na gente!
42
Se tens pela vida apreço,
não entres na droga braba!
Tu decides o começo,
mas não sabes como acaba.
43
Sigo, no delírio infindo
da saudade que me arrasa,
uma só música ouvindo:
os teus passos pela casa!
44
Sob chuva ou sol que abrasa,
como nos tempos antigos,
o portão da minha casa
não se fecha aos meus amigos!
45
Tal qual pérola valiosa
que na ostra tem morada,
minha alma tão pretensiosa
mora no peito da amada.
46
Te enfeiticei, fui omisso,
quis um “caso” passageiro;
mas o Amor fez o feitiço
virar contra o feiticeiro!
47
Ter fé, amor, otimismo
e uma inabalável crença
nos faz saltar sobre o abismo
de qualquer indiferença!
48
Terrível palavra é o “não”
que corta, poda, cerceia...
Feliz quem, no coração,
traz o “sim” que a paz semeia!
49
Trovador que espalha o sonho
que lhe mora n’alma inquieta
confessa ao mundo, risonho,
a bênção que é ser poeta!
50
Tua pele o vento alisa,
sensual, com seu frescor.
Como eu invejo esta brisa
que te alisa, meu amor!...
51
Tu me prendes, me agrilhoas,
me escravizas sem sentir,
mas destas algemas boas
eu não pretendo fugir..
52
“Vitamina está na casca!”
-De um comilão eu ouvi...
E quase que ele se enrasca
ao comer abacaxi!
53
Voltei a ter confiança
neste mundo tão ruim
ao descobrir a criança
que ainda habitava em mim!

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Lóla Prata Garcia


1
Aquilo que fui um dia,
perdura no que hoje sou,
mas a vida, que ironia,
por ser longa, deformou...
2
Cais do porto lembra Santos,
a cidade onde nasci,
mas os salgados recantos
se encontram vivos aqui...
3
Calço as sandálias do sonho
e caminho solta ao vento
enquanto versos componho
em total deslumbramento.
4
Com quem estará a chave
que solta meu coração?
Venha esse alguém e o destrave
com amor em transfusão.
5
Cuidado, Terra, essas mãos
que parecem sustentá-la
com pulsos fortes e sãos,
conseguirão preservá-la?
6
Duvido que esse barquinho
de papel fraco, a boiar,
escape do torvelinho
de onde está a navegar.
7
Em todo e qualquer momento
eu quisera ser capaz
de, mesmo no sofrimento,
ter atitude de paz!
8
Enquanto o poeta ensaia
mil versos sobre a maré,
ondas se exibem na praia
com seu molhado balé.
9
Falhando nos compromissos
de amor que entre nós juramos,
quebramos elos maciços
e novos rumos traçamos...
10
Meu desabafo é criar
versos sensíveis e belos,
mesmo tendo que chorar
a quebra de meus castelos.
11
Minha coleção de fotos
é celeiro de lembranças;
conduz-me a tempos remotos
de venturas e esperanças.
12
Movendo as graças fluidas
pelo amor de quem nos cria,
cento e oito mil batidas
teu coração dá por dia.
13
Na mata, o rio se espreme
entre o verde... (que beleza!),
desenhando a letra M
no livro da natureza.
14
No teu ombro acomodada,
eu navego vida afora;
vou sem medo, encorajada,
e mais jovem que outrora...
15
O filme curta-metragem
que o crepúsculo descerra,
mostra a brasileira imagem
pairando entre o céu e a terra!
16
Parado, ele aguarda o apito
para empurrar a esperança;
no peito prepara um grito
de gol!!!!... de feliz criança...
17
Pintemos, bem coloridas,
linhas de sol (emergência)
nas nuvens tão poluídas
que cobrem nossa existência.
18
Quando entendo o personagem
que me cativa na história,
faço íntima abordagem
em relação ilusória.
19
Quem nas letras se revela,
quem canta o bem existente,
quem a vida, em rimas sela,
é POETA, é diferente !
20
Quero o amor bem pertinho,
ao alcance de meus braços;
não no virtual quadrinho,
tão longe dos meus espaços...
21
Sendo a "morte certa", incerta
quanto ao dia e quanto à hora,
coerência é manter-se alerta
e pronto pra ir embora...
22
Suplico ao anjo da guarda
do menino equilibrista,
que o salve e dê retaguarda
pra não ser mais trapezista!
23
Tendo ancestral nordestino
que sofria seca brava,
não quero o mesmo destino
no sudeste, mas... se agrava...
24
Uau, que foto mais linda,
enluarada de azul
na bela tarde que finda
aqui nas terras do sul...
25
Um guri corre na grama,
flagrante de um bom momento,
sentindo que a vida o ama,
pelos carinhos do vento.
26
Vendo a saudade deitada
no sofá de minha sala,
levanto e saio, calada,
com medo de despertá-la...

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Luna Fernandes


1
A glória, após a partida,
não nos traz paz nem conforto:
quero ser mortal... com vida!
E não imortal... e morto!
2
As outras brincam de roda…
E a olhar a brincadeira
a menina se acomoda
sobre as rodas da cadeira…
3
Ciúmes - já disse alguém -
vivem no fundo da gente.
Ninguém diz que tem, mas tem;
ninguém quer sentir, mas sente.
4
É a nossa vida, em resumo,
uma estrada em que se passa,
da qual só se traça o rumo...
O limite, é Deus quem traça.
5
Embora eu lute e me agite
nesse afã, pelo pão-nosso...
eu sei que existe um limite
entre o que eu quero e o que eu posso...
6
Em meu brinquedo, entretido,
a brincar de esconde-esconde,
eu fui ficando escondido
não sei de quem, nem sei onde.
7
Eu e a vida estamos quites
pois, se de modo severo,
a vida me impõe limites,
eu, quase sempre os supero...
8
Fogosa, a "gata", no leito,
já fez tudo o que sabia...
E o velho, "do mesmo jeito",
comenta: "Que teimosia!'...
9
Há de ter sonhos pequenos
todo aquele que acredite
que, nos limites terrenos,
a vida tem seu limite.
10
Jurei não te procurar...
jurei, mas quebrei a jura...
quem ama pode jurar
não procurar, mas... procura.
11
Meu coração, tem cuidado.
No amor, não te precipites
pois, o amor é ilimitado
mas tu tens os teus limites...
12
Na calma insossa da praça
o ancião mede a distância
que vai dos dias que passa
aos dias da sua infância.
13
Não me queixo se, de dores,
minha vida hoje é repleta,
pois sofrer plantando flores
é destino de poeta...
14
Não somos dois, - asseguro -
somos metades... E assim,
ao procurar-te, eu procuro
outra metade de mim...
15
Nessa procura incessante,
sem ter achado o que eu quis,
achei, na vida, o bastante
para achar que sou feliz!...
16
Nos domínios de Afrodite
ninguém fica ileso a nada...
Pois, neles não há limite
que algum amor não invada...
17
O carrilhão, com sonoras
e compassadas batidas,
marca o limite das horas...
Marca o limite das vidas...
18
Para não ter frustrações
de insucessos e fracassos,
eu limito as ambições
ao limite dos meus passos...
19
Por mais que estude e medite
sobre os mistérios do Além,
verá que existe um limite
que ninguém passa... Ninguém!
20
Por mais que julguem bisonhos
teus sonhos, nunca os evites
e nem limites teus sonhos...
que os sonhos não têm limites.
21
Quando os meus sonhos, escassos,
se despedaçam, tristonho,
eu vou juntando os pedaços
e deles faço outro sonho…
22
Se partires, algum dia,
não me acenes e nem chores...
Que cada aceno faria
minhas tristezas maiores…
23
Talvez porque eu cante tanto
o mesmo amor, há quem diga
que essas cantigas que eu canto
são sempre a mesma cantiga...
24
Tem calma, velhice, aguarda!
Não venhas me ver ainda!...
Que não receies ser tarda,
porque nem tarda és bem vinda...
25
Um beijo de despedida...
Depois o aceno... E depois,
nós dois, o resto da vida,
com saudades de nós dois…
26
Vejo enfim, com desencanto,
que tive sonhos de rei...
Fui à procura de tanto!...
E foi tão pouco que achei!

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Marisa Vieira Olivaes


1
A Lua, cantada em verso,
o Sol, ardente e fecundo,
são luzeiros do universo,
clareando os pagos do mundo!
2
A paisagem se ilumina
ante a cena sem igual:
- O rio beijando a Usina
num lindo cartão postal!
3
A paixão, com seus enredos,
quando em "êxtase" se inflama,
queima tabus, rompe os medos
do coração de quem ama!
4
Assombração ou fantasma,
nada disso me malogra...
Mas tenho até crise de asma
quando avisto... a minha sogra!
5
À tardinha, mansamente,
ofuscando a luz da rua
se encontram furtivamente
dois amantes... Sol e Lua...!
6
A vida que a gente leva...
que sempre amena ela fosse;
p'ra cada dia de treva,
um bem claro e outro, bem doce!
7
Bendigo a tecnologia
se usada for para o bem...
E que não "mate" a poesia
que todo "feito-a-mão" tem!
8
Carências... são desventuras...
qualquer coisa-de-sofrer...
Sou carente... de almas puras
que amenizem meu viver.
9
Certeiro, de mira boa,
é o que nos fala a razão;
toda mentira ressoa
com ecos de imprecisão...
10
Coração... não foste apenas
um figurante qualquer...
- Roubaste todas as cenas
da vida "desta" mulher!...
11
Dançar foi tudo que eu quis...
meu sonho desfeito em dor...
Mas finjo que sou feliz
compondo versos de amor.
12
Depois que desce a cortina,
quando o amor desata os laços,
não é um show que termina...
é a vida feita em pedaços.
13
De esperas fiz meu passado...
e compondo a vida assim,
tornei-me um barco ancorado
no cais do porto de mim...
14
De lembranças vou vivendo,
abraçada à solidão...
- E a saudade... vou moendo
na usina do coração!…
15
Desejei ser bailarina...
e foi meu sonho dourado...
Mas meu sonho de menina
permaneceu encantado...
16
Em cada verso que fiz,
pedaços de mim deixei...
o sonho de ser feliz...
o pranto que derramei...
17
Eu já me perdi no horário...
nas palavras, no caminho...
Mas, no meu imaginário,
só não perdi teu carinho!
18
Eu sempre estou na fronteira
do que é certo e o que é errado...
- Limítrofe verdadeira
entre a virtude... e o pecado...
19
Felicidade... esqueci
que jeito tem e onde mora...
Se tive um dia, a perdi
no instante em que foste embora.
20
Feliz é quem só procura,
rompendo os nós do caminho,
criar elos de ternura,
pondo algemas de carinho!!!
21
Magia é o instante - perfeito -
em que nós dois somos um,
quando, entre o seu e o meu peito,
não sobra espaço... nenhum!
22
Meu coração, ao relento,
qual mendigo, no abandono,
já não tem mais sentimento...
-bicho perdido sem dono...!
23
Meu mundo... é um mundo perdido
entre regras sem valor...
E eu só quis - sonho vencido -
viver um mundo de amor.
24
Minha alma às vezes se agita
e este mundo eu sinto avesso...
Passada a dor - fé bendita -
em Deus, vejo o recomeço.
25
Nas tantas voltas da vida
aprendi, do sofrimento,
que para toda ferida,
existe sempre um alento. ...
26
No cais da ilusão, deixei
meu coração sonhador...
E jamais desatraquei
meus lindos sonhos de amor...
27
Nos momentos de emoção,
quebro as regras que me imponho
e deixo que o coração
viaje ao mundo do sonho.
28
Nós somos dois mascarados...
você ator, e eu atriz...
dois bobos, apaixonados,
com medo de ser feliz!....
29
Nosso retrato... nós dois...
quanto amor havia então...
Agora - tempos depois -
só lembrança e solidão...
30
Os meus sonhos de menina,
réstias de luz se apagando,
são coriscos na neblina
que em silêncio vão passando...
31
... Palavras nem sempre são
só palavras, como é dito;
quando vêm do coração,
parecem vir do Infinito!
32
Para mim, nem mais nem menos;
o equilíbrio leva à paz.
Gestos grandes ou pequenos?
- Importa é o Bem que se faz!
33
Pensando a vida me ponho,
mas conclusões não alcanço...
Então, dou asa ao meu sonho,
pois de sonhar não me canso!
34
Procurei em todo canto,
um lugar para pousar...
-Ave, perdida de encanto,
fiz meu pouso em teu olhar!
35
Quando as luzes se apagarem
e a Terra, em fendas, se abrir,
se dois corações restarem,
a vida há de ressurgir!
36
Quando o “Minuano” assobia,
rasgando o espaço, imponente,
é um vendaval de poesia
soprando na alma da gente!
37
Se navegar é preciso...
Se é necessário sonhar...
eu sonho no teu sorriso,
navegando em teu olhar!...
38
Se pudesse, eu abriria
as portas do coração,
mas a chave - que ironia -
se perdeu numa ilusão...
39
Só lembrança é o que restou
do adeus que te fez distante...
Foste um vento que passou,
levando tudo por diante!...
40
Somente um beijo... quem dera
pudesse eu de ti roubar...
mas teu beijo é uma quimera
com que só posso sonhar...
41
Tem mais graça de viver
quem dá asa ao coração;
ter um simples bem-querer
é melhor... que ter razão! ...
42
Ternura... palavra doce
que o mundo esquece e não diz...
- Quem dera que o Homem fosse
só de ternura aprendiz!...
43
Toda vez que a nostalgia
invade o meu pensamento,
é nos braços da poesia
que eu sempre encontro um alento!
44
Um cenário de magia
surge aos versos que componho:
- Um reator de poesia
na imensa usina do sonho!
45
Um contraste indisfarçável,
entre nós dois, tão estranho,
é o nosso amor, indomável,
onde me enlevo e... me arranho...! ...
46
Um coração, sem amor,
um amor, sem se entregar,
são como... um vaso sem flor
e um barco... longe do mar...

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Onildo Barbosa de Campos (1924 - 2002)


1
A santa que mais incenso,
minha mãe, já bem velhinha,
sem que eu lhe diga o que penso,
meu pensamento adivinha...
2
A saudade, pensativa,
e alheia ao tempo que avança,
é uma cadeira cativa
onde a velhice descansa...
3
A tristeza aqui não mora!
Meu lar, à luz do Senhor,
feito de pedra – por fora,
por dentro é feito de Amor!
4
A vassoura do bom vento
é aquela que varre, enfim,
das ruas do pensamento,
o pensamento ruim...
5
Castigo é ter, apertado
entre as mãos, na despedida,
um lenço todo molhado
no cais-do-porto da Vida!
6
Cegos de amor, desprezados...
por este mundo de Deus,
meus olhos vivem fechados
depois da fuga dos teus!
7
Correndo, de sorte em sorte,
num desespero crescente,
a gente foge da Morte...
e a Vida foge da gente!...
8
Deus, trovador que se espelha
na inspiração mais ditosa,
compôs a trova vermelha
e deu-lhe o nome de rosa.
9
Dona Saudade, velhinha,
bordadeira paciente,
não tem agulha nem linha,
mas borda os sonhos da gente!
10
É libertando a saudade,
quando me encontro contigo,
que estendo a mão da amizade
para prender um amigo!
11
Fui vaqueiro!... Hoje, sou monge...
Minha saudade, depois,
ficou mugindo, lá longe...
na voz dolente dos bois!...
12
“Jeca Tatu” se consome
na eterna queixa de um ai:
– “Meu Deus, eu morro de fome!”
Responde a Terra: – “Plantai!”
13
Mantendo a alegria acesa,
o teu olhar, tão profundo,
criança, apaga a tristeza
dos olhos tristes do mundo!
14
Na dança e na contra-dança
desta vida, que se evade,
o sol nascente é esperança,
o por-do-sol é saudade!
15
Na fogueira abandonada,
vejo esta imagem, tristonho:
- saudade é a lenha queimada
no fogo azul do meu sonho.
16
Não há mais doce alegria
do que lembrar, ao sol-posto,
de mamãe quando fazia
trovas de beijo em meu rosto.
17
Na vida, que nos consome,
quem tiver coração nobre,
não mata o pobre de fome,
matando a fome do pobre!
18
Numa alcova abandonada,
a saudade, penitente,
a noite inteira acordada,
orvalha os olhos da gente.
19
Nunca se apresse à conquista
de alguém de muita promessa...
que o amor, à primeira vista,
foge da vista, depressa!...
20
O Morro vive cansado!…
Sem pão, sem lar, sem escolas,
é um chapéu velho emborcado,
de tanto pedir esmolas!
21
Para o céu te levaria,
em troca do teu carinho,
se me ensinasses, Maria,
onde começa o caminho...
22
– Por que a Deus, a alma volvida,
agradeço o que me deu?!
– Porque me deu tanta vida,
que a Morte já me esqueceu!
23
- Por que a gente engana o tédio
quando a lembrança é ternura?!...
- Porque a saudade é o remédio
de um mal que não tem mais cura!
24
- Por que dormir docemente,
num travesseiro sem fronha?!
- Porque a humildade da gente,
quanto mais dorme... mais sonha!
25
- Por que matar um Poeta,
se é irmão de Deus, quer viver?!
- Porque a Morte, analfabeta,
seus versos não sabe ler!
26
- Por que não se firma em pé
a alma descrente... abatida?!
- Porque, em se perdendo a Fé,
perde-se a vida da vida!
27
– Por que o Mal não tem segredo
e seu castigo está perto?!
– Porque, mais tarde ou mais cedo,
o Mal sempre é descoberto!
28
Por que o olhar de mãe, se ingrato
é o filho, nunca o magoa?!
- Porque revela o retrato
do coração que perdoa!
29
Por sobre as ondas serenas,
a gaivota, em seu compasso,
é uma tesoura de penas,
cortando o pano do espaço.
30
- Quem é Deus?! Ninguém, no mundo,
ao certo dirá! Por quê?
- Porque é o Mistério profundo
que a gente vê... mas não vê!
31
Quem vive cego de amor
– frase que trago de cor -
embora de olhos fechados,
enxerga a vida melhor.
32
Sábio é toda criatura
que vive da inteligência,
colhendo a espiga madura
do milho da experiência!
33
Saudade, vida da vida
de um sonho que se desfez.
É uma vontade incontida
de sonhar tudo outra vez!
34
Sem te esperar, desespero
se te procuro esquecer..
Pois quanto menos te quero,
mais te quero, sem querer!
35
Sou trevas!... Mas, se, a contento,
bebo luzes... ao bebê-las,
no luminoso momento,
eu viro noite de estrelas!
36
Teu amor não tem segredo,
criança. Teu coração
até parece um brinquedo
que passa de mão em mão…
37
Teus olhos, cor de esperanças,
fogem... Teimoso, os persigo!...
- Parecem duas crianças
brincando de amor comigo.
38
Três Marias, três amores
passaram pelos meus dias..
Ficou Maria das Dores,
- a dor maior das Marias!
39
Tu vives andando a esmo
por distâncias… e eu, aqui,
quando me abraço a mim mesmo,
é com saudades de ti.
40
Venho de longe… e pressinto
que para longe prossigo…
– Sem dizer tudo o que sinto,
eu sinto tudo o que digo.

domingo, 13 de agosto de 2017

Renato Baptista Nunes (1883 - 1965)


1
Agora, não sei por quê,
meu relógio faz maldades.
Numa hora sem você,
marca sessenta saudades!
2
Águas do lago... tão calmas...
Olhando-as, fico a cismar :
– Por quê, Senhor, há nas almas
essa inquietude do mar ?
3
A nossa alma se reparte
pelos filhos que nos vêm;
temos sempre nossa parte
nos destinos que eles têm.
4
As dores e os desencantos
têm dois destinos diversos:
- ou se dissolvem nos prantos,
- ou se desfazem nos versos.
5
Bem pouca gente procura
aceitar esta verdade:
- antes ser bom sem ventura,
que ser feliz sem bondade.
6
Canta, canta as tuas mágoas,
que a trova nos traz conforto;
quando morre um sonho, a trova
guarda a alma do sonho morto.
7
Céu de azul inexistente,
linda mentira sem par!
Quando o próprio céu nos mente,
em quem posso acreditar?
8
Com que cara fica a gente,
junto à mulher que se adora,
se perguntam, de repente:
- "Como vai sua senhora?”
9
Como dói a gente ver
sem conseguir consolar,
- uma criança a sofrer,
Um velhinha a chorar...
10
Coração, bate baixinho,
pois, a ouvir-te, ó desventura,
conto os passos do caminho
que conduz à sepultura...
11
Creio em alma feminina,
– quem assim pensa, não peca -
quando vejo uma menina
a ninar uma boneca.
12
Das horas sempre ditosas,
muitas o tédio nos furta...
A glória maior das rosas
é terem vida tão curta.
13
Desta feliz ignorância
decorre grande ventura:
- não sabermos que distância
vai do berço à sepultura.
14
Deus, que uniu as nossas almas,
mais bondoso foi depois,
quando, para unir-nos mais,
pôs um filho entre nós dois.
15
Deus te dê vida tão calma,
graças tais que, ao recebê-las,
sintas no céu de tua alma
todo um punhado de estrelas!
16
Dizes que gostas de mim,
se gostas, nunca senti;
teu gosto é outro, isto sim,
gostas que eu goste de ti.
17
Em dons de amor, apesar
de ser pobre como Jó,
prefiro não te beijar
a beijar-te uma vez só!
18
Entre o mar e alma da gente
há relações inegáveis:
- a inquietude permanente
e os mistérios insondáveis.
19
É o amor um milionário,
gaste os beijos que gastar,
tanto mais, o perdulário,
terá sempre para dar !
20
Eu te explico o acontecido:
- se roubei teu beijo, amada,
foi por ter-me parecido
que querias ser roubada...
21
Feliz daquele que alcança
o lenitivo que quer,
- num sorriso de criança
- num carinho de mulher.
22
Graças, pai, meu grande amigo,
pelo bem que me fizeste!
Minha mãe, eu te bendigo
pelo pai que tu me deste!
23
Guardo esta amarga impressão:
depois de tanto viver,
só hoje sinto a extensão
do que deixei de fazer...
24
Há belas trovas... mas creio,
nenhuma pode igualar
às lindas trovas que leio
no fundo do teu olhar !
25
Há no mundo muita gente
que só maldades proclama;
é que os sapos, certamente,
só são felizes na lama.
26
Há saudades que nos falam
de maneiras desiguais:
umas dizem: "pode ser" ..
muitas outras: "nunca mais"
27
Mãe feliz! É tão novinho,
e teu seio já reclama!
Dois corações tens agora:
um que pulsa, outro que mama!
28
Mãe não precisa de rima.
Nome de tal esplendor,
diz tudo, para que exprima,
sozinho, um poema de amor!
29
Mãe... Olhando o teu retrato,
meus olhos fitos nos teus,
penso que estás a meu lado
por uma graça de Deus !
30
Mais do que o próprio desdém,
nada mais deixa tão sós,
como saber que ninguém
sente saudade de nós...
31
Maria dos meus amores,
Maria dos meus pesares,
ai de mim quando te fores,
ai de mim se tu ficares...
32
Meus anseios ... tristes frades,
numa angústia indefinida,
vivem presos entre as grades
das clausuras desta vida ..
33
Minha mágoa, quando é grande,
faz da trova confidente
– Uma angústia que se expande
não sufoca a alma da gente.
34
Mistérios de enternecer
a lei da vida contém:
- quanta vez nosso prazer
não custou a dor de alguém?
35
Muita gente é infeliz
mas será por culpa alheia?
Cada qual, como se diz,
colhe aquilo que semeia.
36
Não sei que mágoa mais funda
destas tristezas decorre:
- se da saudade que vive,
– se da esperança que morre.
37
Na tua face entrevejo
transformação milagrosa:
- da semente do meu beijo,
nasce o rubor de uma rosa!
38
Nem sempre meu mal existe.
Querida, não te desoles,
às vezes finjo de triste
só para me consoles.
39
No início da vida, o mundo
parece um reino encantado!
Não há erro mais profundo,
nem logro mais bem pregado.
40
Olhando a vida vivida,
esta pergunta passou:
- fui eu que fiz minha vida,
ou fez-me a vida o que sou?
41
O mundo é um só, quem duvida?
Mas para as almas, no fundo,
há tantos mundos na vida,
quantas vidas há no mundo.
42
O prazer que a gente goza
guarda, em si, melancolia,
pois a hora que é ditosa,
há de ser saudade um dia.
43
Para evitar, precavida,
qualquer infidelidade
quando ela vai de partida,
deixa comigo a saudade.
44
Peço-lhe um beijo, matreiro,
sei que o pedido não pega;
mas conheço o meu isqueiro,
no princípio, sempre nega...
45
Quando a aurora se incendeia,
toda a passarada, em festa,
ergue um hino à Natureza
na Catedral da floresta !
46
Quando a injustiça te doer,
ou quando alguém te magoar,
esquece, pois esquecer
é bem mais do que perdoar.
47
Quando parte um velho amigo
rumo às paragens sem fim,
sinto que um pouco da vida
morreu, também, dentro em mim
48
Quanto és bela, que grandeza,
cidade vista do alto !
Quanta dor, quanta baixeza,
ao nível do teu asfalto...
49
Quão larga seria a messe
de surpresas, de tormentos,
se o simples olhar pudesse
devassar os pensamentos ..
50
Quem casa não se governa,
tenho, até, vergonha às vezes,
pois quem manda em minha casa
é um pirralho de três meses!
51
Saudade e rio corrente
ligam dois pontos distantes:
- o rio leva à nascente,
a saudade, ao que era dantes...
52
Se uma fada perguntasse
qual a ventura que almejo,
eu diria : - que consiste
em não ter nenhum desejo.
53
Solidão que não tem par,
ausência cruel, atroz,
é viverem dois num lar
como se estivessem sós.
54
Talvez não fosse tolice
pensar num mundo sem mal,
se toda gente sentisse
o que diz pelo Natal...
55
Tens um sinal junto à boca,
fonte de todo o meu mal:
ao beijá-la, fui punido
por "avançar o sinal"...
56
Tesouro que, dividido,
vai crescendo, vai subindo,
- é amor de Mãe, repartido
pelos filhos que vem vindo !
57
Teu amor é tão sincero,
que adivinhas o que almejo
pois nunca te disse "eu quero"
para ter o que desejo.
58
Teu sorriso é uma alvorada
que acende na tua face
o rubor que a madrugada
põe no céu, quando o sol nasce!
59
Vejo na noiva ditosa,
aos pés do altar, a sorrir
uma esperança radiosa
interrogando o porvir...
60
Velhice não é tristeza
quando somos venerados
- o que nos dói é a certeza
de só sermos tolerados.
61
Velhos, distantes, embora,
não nos sentimos tão sós,
quando os amigos de outrora
inda se lembram de nós.
62
Vida... Perene esperança
de quê, não se sabe bem...
Feliz de quem não se cansa
de esperar o que não vem.
63
Viver muito, na verdade,
é irmos ficando sós,
dentro da imensa saudade
dos que vão antes de nós...

sábado, 12 de agosto de 2017

Myrthes Mazza Masiero


1
Alerta: Grande perigo!
A água está em extinção;
e o nosso grande inimigo
é o ser humano, oh, irmão!
2
Amizade é sol que aquece
aonde quer que se vá.
Nem sempre o sol aparece,
mas se sabe que está lá...
3
Araras azuis, voando,
vão singrando a imensidão;
parecem fugir em bando
da ameaça da extinção!...
4
Crianças são primaveras
que enchem o mundo de cores;
as primaveras são eras
em que só colhemos flores!
5
Depois de uma tempestade
e a paz volta a florescer,
eu sinto a felicidade
de um cego que volta a ver.
6
Equilíbrio é harmonia,
prudência e moderação;
mantê-lo é manter em dia
mente sã em corpo são.
7
Eu sempre fiz ”macaquice”,
mas “mico” não pago não.
Existe coisa mais triste
que dar “topada” no chão?
8
Felicidade é uma estrela
que nasce na alma da gente . . .
Precisas reconhecê-la
para plantar a semente!
9
Franqueza, um belo costume,
de quem é franco e leal,
é faca que tem dois gumes,
pode, às vezes, ser fatal!
10
Fumo escuro, céu cinzento,
todo o ar contaminado...
e o ser humano- avarento-
mata e morre sufocado!
11
Jamais fui fiel devoto
mas tenho cá meu santuário,
cultuo ali cada foto
como se fosse um sacrário!
12
Linda turista elegante,
belo jovem refinado,
fazem do baile brilhante
um brilhante "Ano Dourado"!
13
Mãos que sustentam o mundo,
mãos recheadas de amor...
plantam o saber fecundo
são as mãos do professor!
14
Melhor seria que os versos,
com as asas da verdade,
voassem pelo universo
a espalhar sinceridade.
15
Minha paixão malograda,
sufocada entre segredos,
é como nau destroçada
batendo contra os rochedos!
16
Muita gente desvalida,
que labuta como mouro,
vive a escutar na vida
que o trabalho vale ouro.
17
Nesta vida a mocidade,
tal qual roseiras viçosas,
dá botões na flor da idade
antes de encher-se de rosas!
18
Nós somos todos um trem
carregado de ancestrais...
Temos que seguir além
mesmo entre flores e ais!...
19
O sábio é um degustador,
degusta a sabedoria,
“carpe diem” com fervor,
bebe a luz que ele irradia.
20
Quando a cabrocha aparece
descendo o morro sambando,
o povaréu enlouquece,
cai no samba rebolando!
21
Quem semeia entendimento,
jamais colhe tempestade,
esparrama aos quatro ventos
flores de fraternidade.
22
Quem tem prudência na vida
não pensa em “olho por olho”;
as ofensas não revida…
mas põe “a barba de molho”!
23
Quem sozinho se constrói
lapidando cada aresta,
se lasca, se corta e mói
mas tem sempre a alma em festa!
24
Rompamos com todo elo
dos grilhões da escravidão!
A escravidão é flagelo
que mutila o cidadão!...
25
Saudade é como cebola
que se descasca a chorar.
Mas toda mulher que é tola,
vive a cebola a cortar
26
Se, após longa tempestade,
a paz vem a florescer,
recobro a felicidade
do cego que volta a ver...
27
Sobreviver é uma arte.
É driblar a natureza,
tendo a fé como estandarte
e Deus como fortaleza.
28
Toda a noite, quando saio,
vendo o céu luminescente,
sinto a paz que é como um raio
de luar dentro da gente.
29
Um dia paguei um “mico”,
escorreguei no salão.
Não sei se encolho ou se fico
estatelada no chão.
30
Vendo este mundo violento,
irmão a matar o irmão,
pergunto: - Será que há tempo
de Deus nos dar seu perdão?...